Viver do pão que o diabo amassou

Humilhação, ridicularização de opiniões e gostos; gritos, atitudes desequilibradas, intolerância e desdém. Estes são alguns traços que caracterizam os relacionamentos abusivos, que podem partir do homem contra mulher ou desta contra o homem.

Facto curioso é que quem está nesta condição, muitas vezes nem sequer percebe. Mas também há quem tem consciência, porém não encontra forças suficientes para travar o abuso, afirma Guilex Cossa, psicóloga, em conversa com o domingo.

Entretanto, vozes do antigamente, quando chamadas à posição de conselheiras, orientam: “lehisa mbilu” (seja paciente; engula o choro). É precisamente o que defende Cecília Sitoe, uma anciã, que a dado momento da conversa com nossa Reportagem afirma que para escapar deste tormento há que dobrar o joelho e “pedir a Deus que o seu parceiro mude de comportamento”. Deste modo, entende que “a oração é poderosa” o suficiente para curar uma mente, até certo ponto, diabólica.

CAROL BANZE
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Classifique este item
(0 votes)