SAÚDE: Controle os escândalos da criança na hora de cortar o cabelo

Levar o seu filho para cortar o cabelo é sempre um sufoco. Ele esperneia, chora até cansar e só sossega quando escuta algumas ameaças, fazendo você passar vergonha e esgotando a paciência do cabeleireiro, para além de correr o risco de ser ferido pelos instrumentos de corte. Então:

Ofereça recompensa: os psicólogos podem até torcer o nariz, mas ela salva muitos pais do sufoco. Mantenha na bolsa alguma guloseima de que a criança gosta e diga que só entrega depois que ela cortar o cabelo. Outra opção é levá-la para um passeio especial, saindo do salão.
Cadeiras com carrinho: o volante e o painel colorido fazem a alegria das crianças menores (geralmente, as mais trabalhosas). Enquanto o seu filho brinca, o cabelo é aparado.
Corte relâmpago: as crianças detestam ficar mito tempo paradas. Vem daí grande parte da birra contra o salão. Por isso, o corte infantil precisa de ser rápido. Os profissionais garantem: dez minutos é o máximo de tolerância conseguida. Depois disso, a criança começa a se mexer na cadeira e prejudica o trabalho do cabeleireiro. Tesoura à distância: quando a criança já entende, vale a pena explicar que cortar o cabelo não dói e serve para deixá-la mais bonita. Do contrário, é bom que ela nem veja o acessório, sob o risco de ficar assustada e dar ainda mais trabalho com medo de se machucar.  
Brinquedos à mão: se o salão não tiver, leve um brinquedo do seu filho. Pode ser uma boneca, um carrinho ou mini-game. O importante é que a criança mantenha-se ocupada durante o corte.
Banho logo depois: evite sair do salão e ficar muito tempo fora de casa. Os cabelos que restam nas costas, mesmo que o cabeleireiro espane o excesso, incomodam a criança e causam coceiras. Esta lembrança pode atrapalhar você na próxima vez em que os fios tiverem de ser aparados. O ideal é passar em casa e dar um banho no seu filho.

Fonte: Redacção Minha Vida

 

Classifique este item
(0 votes)
Última modificação: Sábado, 19 Dezembro 2020 22:09