Resíduos líquidos da lavagem de automóveis e seu impacto ambiental na cidade de Maputo

O ser humano é responsável por grandes e rápidas transformações do meio ambiente, sobretudo, transformações que impactam, negativamente, o meio ecológico. O êxodo rural intensifica este fenómeno, dada a aglomeração das pessoas em grandes centros urbanos à procura de sobrevivência.

Moçambique vem registando vários problemas de poluição ambiental devido a resíduos líquidos provenientes da lavagem de automóveis na via pública em “esquinas” vulgarmente designadas por “car wash”.

De forma a avaliar o nível de conhecimento e informação dos lavadores de carros quanto à legislação ambiental e aos possíveis impactos daí decorrentes, de modo a propor acções metodológicas com vista a minimizar a poluição ambiental, fez-se um estudo participativo. Importa referir que esta pesquisa foi realizada nos estabelecimentos de lavagem de carros “car wash”, situados nos bairros 25 de Junho, Maxaquene e Malhangalene.

MARCO TEÓRICO

Sendo um trabalho participativo entre os trabalhadores, proprietários, a sociedade e os próprios investigadores, aqui priorizaram-se também os argumentos dos entrevistados.

Recorreu-se aos estudos desenvolvidos na Alemanha que já fazem parte da legislação alemã, “a proibição de lavagem de autocarros nas ruas”. A não observância desta regra pode propiciar o risco à saúde pública devido aos gases de intoxicação que escoam com as águas em direcção às zonas de produção de hortícolas, mares, rios, lagoas. O óleo lubrificante, por exemplo, apresenta ácidos orgânicos e metais pesados na sua composição. Para além de gastarem muita quantidade de água só por carro. Na Austrália, os lava-rápidos têm um limite de uso recomendável por cada carro, o que os leva a reciclar a mesma água para o seu reaproveitamento. Leia mais...

Classifique este item
(0 votes)