DICAS DA VOVÓ: Algumas meninas de hoje sentem inveja da “própria mãe”

 vovó Palmira Tomás Matsimbe, residente em Maputo

 Tudo gira em torno dos “maus ares” que circulam na actualidade. É como avalia a vovó Palmira, em conversa com o domingo. Na verdade, “os tempos são outros… maus tempos”, aclara. O reflexo dessa pólvora que estoira recorrentemente em todos os cantos já deixa muita gente de cabeça endoidecida: “nas famílias, no local de trabalho”. Assiste-se a uma verdadeira competição insana, aliada à “falta de respeito”, conforme diz a vovó Palmira. “Vejo muito disto no local de trabalho. Por exemplo, algumas jovens trabalhadoras vestem-se de blusas de alças e muito decotadas; exibem o sovaco e o peito, e quando nós, as mais velhas, repreendemo-las respondem-nos de forma atravessada; com muita falta de respeito. Algumas chegam a perguntar: qual é a diferença entre mim e ti?, como se nós tivéssemos a mesma idade”.

No seu bate-papo com o semanário domingo, a vovó Palmira não parou por aqui. Acusou algumas raparigas de ter um comportamento destruidor, afinal, no meio de tanta competição, “sentem inveja de mulheres mais velhas. Até cobiçam o marido das tias; chegam a exibir-se perante eles, para provocar. Fazem tsara-tsara-tsara E quando, por alguma razão o tio se deixa levar, psi helile (é o fim). Sobretudo, quando se trata de tios com dinheiro”. A verdade é que “é exactamente o dinheiro que estraga tudo. Elas não sabem que o tio e a tia sofreram para chegar onde estão; para ter os bens que ela inveja… preferem o caminho fácil para alcançar os seus objectivos. Enquanto não conseguem, enchem-se de ódio, de inveja. Não sabem que ter inveja de uma pessoa mais velha é ter inveja da própria mãe”, encerrou a conversa com o jornal domingo.

 

Classifique este item
(0 votes)