No dia 1 de Janeiro de 1970, o aldeamento de Ungura, interior do distrito de Ancuabe, foi atacado pelos guerrilheiros da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), então guarnecido por milicianos coloniais com o objectivo de que as populações não tivessem contacto com o movimento libertador.

Do ataque os guerrilheiros libertam um número não determinado de habitantes, entre eles três meninos de 10 a 15 anos de idade, nomeadamente, Inácio Ncuele, João Baptista Aiuba e Hilário Nussura. A viagem que levou muitos dias pela mata adentro acabou (para os jovens) no centro-piloto de Nangade, no pulmão das então zonas libertadas, onde funcionava uma escola e um infantário, em plena guerra de libertação.

Quando em entre 7 e 11 de Outubro de 1972 o presidente da FRELIMO, Samora Machel, visitou as zonas libertadas na companhia do secretário Hasmim Mbita e de outros oficiais do Comité de Libertação da célebre Organização da Unidade Africana (OUA) e registou-se uma incursão aérea da tropa colonial no Centro-piloto de Nangade, os três meninos foram alvo desse ataque que culminou com a evacuação do local em sua protecção e na morte de outros tantos.

Texto: Pedro Nacuo

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Leia mais...


Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 61,11 62,29
ZAR 4,16 4,24
EUR 67,19 68,49

12.09.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 485 visitante(s) ligado(s) ao Jornal