Sandura refuta recrutamento de jovens para junta militar

O antigo deputado da Renamo e empresário Sandura Ambrósio negou perante o Tribunal Judicial de Dondo ter qualquer tipo de ligação com a junta militar da Renamo.

Sandura, que se encontra detido desde Janeiro deste ano, indiciado da prática do crime de conspiração contra a segurança do Estado, negou igualmente que tenha ligação com António Bauase, que neste processo é acusado de ter recrutado jovens para as fileiras daquele movimento militar sob comando de Mariano Nhongo.

O nome de Sandura Ambrósio foi citado neste julgamento pelo co-réu António Bauase, que revelou que estava a recrutar os jovens para a empresa de segurança daquele.

Bauase recrutava jovens a partir do distrito de Marromeu, onde residia antes de ser detido.

Sandura disse ao juiz Carlitos Teófilo que Bauase telefonou-lhe nos primeiros dias de Janeiro, a partir de Marromeu, a solicitar apoio financeiro no valor de seis mil Meticais, para, alegadamente, transportar os seus bens para a cidade da Beira.

Negou que tenha fornecido os seus dois números de telefone a António Bauase para, alegadamente, efectuar contactos.

Sandura negou igualmente que tenha persuadido a Bauase para que depusesse a seu favor.

Nas declarações perante o Tribunal, este co-réu disse que foi Bauase que lhe procurou na cela para pedir que ele dissesse que os jovens recrutados seriam para a sua empresa de segurança, facto que ele negou.

Disse que o pedido de Bauase para assumir, diante do tribunal, ter recrutado jovens em Marromeu para a sua empresa de segurança foi, alegadamente, uma orientação dos seus advogados.

TRIBUNAL SOLICITA PERITOS DO SERNIC-CENTRAL

A sessão de julgamento prevista para a passada sexta-feira foi adiada para o próximo dia 7 de Agosto. O Tribunal pretende convocar os peritos do Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC) para explicar os contornos em volta da informação contida em discos arrolados como elementos de prova que indiciam os seis réus do crime de conspiração contra o Estado.

O juiz Carlitos Teófilo decidiu interromper a sessão depois de o representante do SERNIC na região Centro declinar decifrar o conteúdo por se achar incompetente. Leia mais...

Classifique este item
(0 votes)