Beira despertou sob sons das assobiantes “vuvuzelas” emitindo as últimas notas da campanha eleitoral para as presidenciais e assembleias geral e da república. 

As movimentações frenéticas dos beirenses prometiam um dia diferente, mas ao mesmo tempo igual aos anteriores, quando se tem em conta o objectivo de cada inclinação partidária: o de vencer as eleições.

De máquinas afinadas e tanto, deslizaram ruas adentro e espalharam mensagens marcadas de positividade. Entretanto, acima de tudo, reinava a concórdia, a paciência e a bondade, tal como recomendara, há bem pouco tempo, o supremo líder da igreja católica, Papa Francisco.

Portanto, Beira transmitiu paz, numa altura em que, regra geral, os ânimos se exacerbam pela desmedida cobiça de reinar. Deu uma lição cívica a todos quantos se enlevam para impor os seus anseios; mostrou que a campanha eleitoral é mesmo um momento de festa; de exteriorizar a estirpe e não somente para delimitar a essência de cada um, sem no entanto, magoar e tão-pouco desdenhar do outro.

Destaque-se, entretanto, que pelos diferentes bairros a hegemonia cromática pendeu mais o vermelho da Frelimo e do seu candidato, Filipe Nyusi.

Em lugares como Maquinino, Ponta Gea, Chipangara, mercados Goto, nas barbas do MDM, na sua sede - realce-se – os simpatizantes do batuque e da maçaroca deram mostras sem equívocos das suas convicções político-partidárias, sob olhar dos seus adversários que por ali circulavam livres de qualquer malícia.

Enchiam o peito, a cada passo que davam, para soletrar Frelimo, com ordem e civismo. Facto curioso é que, em plena praça da Independência, onde centenas de pessoas esperavam pelo candidato Lourenço Bulha, cabeça de lista da Frelimo em Sofala, para momentos derradeiros da festa de pedido de voto, ouvia-se numa língua do Sul de Moçambique, Changana, “ha famba hiya wona Nyusi” (vamos ao encontro de/ou ver Nyusi”, da boca de mamanas devidamente trajadas, saracoteando as respectivas silhuetas para quem quisesse ver. Era a força da Unidade Nacional, que a seu espaço emergia.

Já a Renamo e o MDM, na cidade capital, Beira, manifestaram-se de forma mais contida. O que se viu foi uma e outra espreitadela de alguns dos seus membros ou, apenas, os olhares estáticos dos respectivos líderes estampados em fotografias em vários cantos da cidade.

TEXTO DE CAROL BANZE

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 61,72 62,95
ZAR 4,18 4,26
EUR 68,69 70,06

18.10.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 315 visitante(s) ligado(s) ao Jornal