O Governo português anunciou esta amanhã, em Lisboa a criação e/ou revitalização de iniciativas de apoio financeiro à retoma do sector empresarial luso-moçambicano afectado pelos ciclones Idai e Kenneth, nas regiões Centro e Norte de Moçambique, no início deste ano.

A informação foi prestada na abertura do Fórum Empresarial Portugal-Moçambique, cerimónia dirigida pelo Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, acompanhado pelo Primeiro-Ministro português, António Costa.

Um dos fundos foi criado ainda ontem, sob gestão do Instituto de Camões e que compreende um montante de 1,2 milhão de euros, dos quais 600 mil do Orçamento do Estado português e 500 mil de parceiros de cooperação. Ainda ontem o valor subiu em 300 mil dólares

Estão igualmente mobilizados fundos do Investimoz, no valor de 16,1 milhões de euros para apoio a empresas de direito moçambicano ou portuguesas afectadas pelas cheias, além da aprovação do primeiro projecto, ao abrigo do recém-criado compacto lusófono que se traduz na constituição de garantias para a concessão de crédito bancário a pequenas e medias empresas moçambicanas de cerca de 30 milhões de euros.

Outra iniciativa é a dinamização dos fundos da cooperação portuguesa, no montante de 11 milhões de euros, de modo a torna-lo mais operacional para apoiar a reconstrução e a recuperação económico, instrumento que se junta a uma linha do Banco Europeu de Investimento no valor de 12 milhões de euros destinado aos países da África Caraíbas e Pacífico (ACP) de que Moçambique é elegível.

Ao dirigir-se ao Primeiro-Ministro português e aos participantes do fórum empresarial, Filipe Nyusi explicou que diferentes razões ditaram a redução das trocas comerciais entre Portugal e Moçambique, com um défice para a parte moçambicana devido à queda dos preços das principais matérias-primas no mercado internacional, associada à sua exportação em bruto.

Foi neste contexto que Filipe Nyusi referiu que as boas relações de amizade e solidariedade prevalecentes entre Moçambique e Portugal precisam de serem alimentadas com acções concretas nas áreas económica e empresarial.

Precisamos de garantir um fluxo elevado e permanente na actividade comercial, porque ninguém vive da diplomacia. Ouvi os apoios de Portugal para o projecto de reconstrução pós-ciclone e estes apoios acontecem porque Portugal está economicamente robusto. Já é momento para a diplomacia comercial estar em peso para resolver todas as preocupações que existem entre os nossos países”, explicou Filipe Nyusi, convidando os empresários portugueses a investirem em Moçambique por ser uma economia promissora, até porque apesar dos constrangimentos de vária ordem continua a crescer a ritmo satisfatório.

Intervindo na mesma ocasião, o Primeiro-Ministro portuguêsAntónio Costadisse que as empresas e a sociedade civil portuguesa têm estado a demonstrar um grande sentido de responsabilidade e solidariedade aos se esforçarem para apoiar a reconstrução das áreas afectadas pelos ciclones.

Os diferentes mecanismos de apoio criados por Portugal atribui importância particular às empresas”, disse António Costa para quem os próximos anos são, a par dos esforços de reconstrução, de promessa e oportunidade, tendo em conta os projectos de exploração de gás natural.

Portugal é o quinto maior investidor estrangeiro em Moçambique no período 2014-2018, altura em que foram registados projectos no valor de 510 milhões de dólares norte-americanos, com potencial para a criação de 14 mil postos de trabalho para moçambicanos nas áreas de energia, construção, indústria e turismo.

Texto de António Mondlhane, em Lisboa

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 61,72 62,95
ZAR 4,18 4,26
EUR 68,69 70,06

18.10.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 284 visitante(s) ligado(s) ao Jornal