A omissão dos montantes e os impostos resultantes da exploração de recursos minerais (carvão e gás) destinados a apoiar os programas de desenvolvimento das comunidades onde são extraídos, constituem algumas das irregularidades detectadas pelo Tribunal Administrativo (TA) na execução da Conta Geral do Estado de 2017.

O documento está em análise na Assembleia da República (AR) desde hoje até amanhã e conta com a presença do Governo chefiado pelo Primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário, para responder às perguntas dos deputados sobre a matéria.

O TA refere que apesar de alguns avanços que o documento apresenta, persistem igualmente irregularidades na organização do arquivo de documentos justificativos das despesas pagas.

Além disso registou-se também o pagamento de despesas com recurso a verbas inapropriadas e em alguns casos aquisição de bens do Estado sem as guias de remessa dos produtos adquiridos.

Enquanto isso, as duas comissões especializadas da AR, nomeadamente Comissão do Plano e Orçamento (CPO) e a dos Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos e de Legalidade (CACDHL) consideram haver evolução na gestão da conta, apresentando, contudo, algumas observações.

A CPO recomenda ao Governo a prosseguir com reformas na arrecadação da receita para garantir maior eficiência fiscal e incremento nas receitas, melhoria da gestão dos fundos de desenvolvimento distrital por forma a criar maior impacto na redução da pobreza, bem como aumentar os níveis do reembolso.

Esta comissão recomenda ainda a eliminação das divergências dos valores reportados no âmbito 2.75 por cento transferidos resultantes da exploração dos recursos para as comunidades, bem como tornar a dívida pública sustentável.

Entretanto, as bancadas parlamentares divergiram na apreciação do documento com a Frelimo a defender a aprovação e a Renamo e o MDM a reprovação por entender que a conta não foi executada com clareza, exactidão, violando a lei do SISTAFE.

Refira-se que a despesa de 2017 atingiu 247.2 mil milhões de Meticais, o correspondente a 90,8 por cento e o Orçamento do Estado estava fixado em cerca de 272.2 mil milhões de Meticais.

 

 

 

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 579 visitante(s) ligado(s) ao Jornal