O Conselho de Ministros anunciou, esta tarde, a criação de uma comissão de inquérito independente e multidisciplinar para apurar as causas do acidente de viação, ocorrido na noite de sábado, no distrito da Manhiça, envolvendo um autocarro e dois camiões e que causou a morte de 32 mortos e dezenas de feridos.

A mesma comissão, segundo o porta-voz do Governo, Filima Suazi, deverá propor medidas que possam contribuir para a redução do índice de sinistralidade rodoviária no país.

Falando a jornalistas no final da vigésima Sessão Ordinária do Conselho de Ministros, Filmão Suazi explicou que mais detalhes  sobre a comissão - composição, prazos e termos de referência - serão divulgados ainda esta semana.

De igual modo, o Governo orienta para que se tomem diligências com vista a se apurar as responsabilidades dos intervenientes deste acidente, incluindo a assistência às famílias enlutadas e os feridos.

“Apelamos à todos os automobilistas, às empresas de transporte de passageiros e demais  intervenientes para a observância das regras de trânsito”, afirmou.

Moçambique observa, a partir da meia-noite de hoje, um luto de dois dias, pela morte de 32 pessoas no acidente de viação ocorrido na noite do dia 3 de Julho em Tavira, no posto administrativo de Maluana, no distrito da Manhiça, na província de Maputo.

A decisão foi tomada esta manhã pelo Conselho de Ministros que esteve reunido na sua vigésima Sessão Ordinária.

O porta-voz do Conselho de Ministros, Filimão Suazi, explicou que esta decisão foi tomada nos termos do artigo 42 e da alínea h)  do artigo 43 todos do Decreto nº 47/2006 de 26 de Dezembro que aprova as normas do Protocolo do Estado.

Durante a vigência do luto nacional a bandeira nacional e o pavilhão presidencial serão içados à meia haste em todo o território nacional e nas missões diplomáticas e consulares da República de Moçambique.