O Presidente da República, Filipe Nyusi, reafirmou que os jornalistas devem pautar  pelo respeito pelos valores mais elementares da família e dignidade da mulher e criança na divulgação da informação, sobretudo a atinente ao terrorismo que afecta alguns distritos da província de Cabo Delgado.  

Os nossos concidadãos não merecem ser expostos quando são atacados pelo terrorismo . O cidadão tem de ser maximamente respeitado”, sublinhou o Chefe do Estado.

Nyusi, que falava hoje em Maputo momentos depois de conferir posse a Eliseu Bento como membro do Conselho Superior da Comunicação Social (CSCS), afirmou aquele órgão tem a nobre responsabilidade de garantir a livre circulação de informação na sociedade, assegurando a independência dos órgãos de comunicação social no exercício de direito à informação e liberdade de imprensa .

O Presidente da República, Filipe Nyusi, exorta o jornalista a reportar o sofrimento das pessoas respeitando os princípios da dignidade humana.

Intervindo, esta manhã em Maputo, no acto de posse dos novos membros do Conselho Superior da Comunicação (CSCS), o Chefe do Estado referiu que o drama humano não deve ser reduzido a actos de competição para atrair audiências, leitores, ouvintes.

O novo elenco é presidido por Rogério Sitoe, integrando ainda Paulina Chiziane, José Guerra, Jorge Matine, Cármen dos santos, João Munguambe, José Alfredo Macaringue, Alexandre Chiúre, Suzana Espada e Jeremias Langa.

Segundo o Presidente da República, Moçambique tem vindo a assistir à expansão de rádio, televisão e jornais crescimento esse que ocorre no meio de muita concorrência, o que não é mau; entretanto sente-se na nossa sociedade uma tendências para o desrespeito pelos mais elementares princípios éticos, desrespeito pelos valores da família, da dignidade da mulher e da criança pelos órgãos de comunicação social”.

Filipe Nyusi desafiou o novo elenco do a resgatar os valores éticos, morais, responsabilidade social e deontologia profissional no tratamento da informação por parte dos órgãos que trabalham em Moçambique. “Gostaríamos, por isso, que este órgão discutisse estas matérias de modo a resgatar alguns valores que lentamente se vão perdendo.

"É importante, no acto de informar, evitar o incitamento à violência e ao ódio, ou seja, cumprir com todos os princípios éticos e que estão consagrados na Lei de Imprensa e do Direito à Informação”, recomendou Filipe Nyusi.