A pandemia da covid-19 está a influenciar de forma negativa a doação de sangue no Hospital Central de Maputo (HCM). Farida Urci,  directora clínica, explicou que  aquela unidade sanitária dispõe de poucas unidades daquele liquido devido a redução de doadores voluntários.

“O ideal para abastecer a maior unidade hospital do país são 600 unidades de sangue diários. Até ontem contava com apenas 440 unidades”, avaliou.

Ressalvou que se a situação prevalecer, em uma semana haverá falta deste líquido vital, quando há uma tendência de aumento de pacientes com traumas devido aos acidentes de viação.

“Neste momento, estamos a trabalhar com repositores, que são familiares de doentes  internados a quem pedimos para doar sangue para manter o nosso stock de modo que os pacientes não percam a vida ”, explicou.

Conselho de Ministros (CM) emitiu, na tarde de hoje em Maputo, um  apelo à responsabilidade individual e colectiva  na aplicação das medidas de prevenção do novo coronavírus face ao actual estágio de contaminações, internamentos e mortes pela covid-19.

O porta-voz do CM, Filimão Suaze, exteriorizou a indignação do Governo perante  cidadãos que continuam a violar as medidas de contenção da propagação do novo coronavírus, realizando festas e outras cerimónias com lotações que extrapolam os limites previstos no decreto sobre a matéria.

Não se justifica que ainda façamos confusão entre as 20 pessoas que estão autorizadas a participar de uma cerimónia de celebração de casamento e as  centenas de pessoas que estamos a ver”, disse.

Neste diapasão, Suaze referiu que o Governo continua a se esforçar no sentido de adquirir mais vacinas para a imunização dos grupos prioritários, entretanto, enquanto decorre o processo confia no cumprimento das medidas que  constam do decreto.

“Algumas pessoas já refletem algum cansaço pela a doença mas ela não está cansada de nós”, frisou falando a jornalistas no final de mais uma sessão do Conselho de Ministros.