Moçambique registou, no primeiro trimestre deste ano, cerca de 64 mil novos empregos nos diferentes sectores de actividades, com destaque para a indústria extractiva, serviços, educação e saúde.

A informação foi prestada esta manhã pelo Primeiro-Ministro, Carlos Agostinho do Rosário, na abertura ,em Maputo, da Reunião de Alto Nível sobre Emprego, um encontro cujo objectivo principal é buscar soluções holísticas e integradas que assegurem a geração de mais oportunidades de emprego no país.  O encontro foi organizado pela Secretaria de Estado da Juventude e Emprego. 

Na ocasião, Carlos Agostinho do Rosário congratulou o facto de os novos empregos terem sido gerados num momento de adversidades impostas pela pandemia da covid-19, acções terroristas em Cabo Delgado e ataques armados na zona Centro.

Aliás, perante as adversidades, o Governo tomou um conjunto de medidas de âmbito monetário, fiscal e não fiscal com o objectivo de apoiar as micro, pequenas e médias empresas, tendo em conta a capacidade económica do nosso país.

“O emprego constitui um dos principais pilares da nossa acção governativa no presente quinquénio. Ao elegermos o emprego como uma das prioridades da nossa acção governativa, temos como objectivo criar condições para geração de mais postos de trabalho, incluindo autoemprego e renda para os moçambicanos, sobretudo os mais jovens, contribuindo desta forma para a melhoria contínua das condições de vida da população”, frisou.

Entretanto, para o alcance deste objectivo o Governo está a implementar a Política de Emprego que define, de forma clara, o caminho que se tem de percorrer para a criação de mais emprego e assegurar a empregabilidade dos moçambicanos.

“A materialização da Política de Emprego é feita através de Planos de Acção. É neste âmbito que, hoje, acabamos de testemunhar o lançamento do Plano de Acção para o período 2021-2024”, frisou Carlos Agostinho do Rosário.

Trata-se de um plano que contém orientações e acções referentes à empregabilidade, estímulo a criação de mais emprego, economia informal, empreendedorismo, emprego verde, inclusão e trabalho digno, bem como o combate ao trabalho infantil, de entre outros.