COMBATE AO TERRORISMO: Nyusi compromete-se a modernizar FDS

O Presidente da República, Filipe Nyusi assumiu, há instante, o compromisso de intensificar a formação, reequipamento e modernização das Forças de Defesa e Segurança em todas as especialidades para fazer face ao terrorismo que afecta alguns distritos da província de Cabo Delgado.

Neste momento, o Chefe do Estado moçambicano está a apresentar à Assembleia da República o Informe Anual sobre o Estado Geral da Nação.

Não vamos recuar e estamos a intensificar a cooperação internacional visando o combate a este mal (terrorismo)”. 

Os ataques terroristas em Cabo Delgado já causaram a deslocação de 570 mil pessoas, para além da destruição de bens, raptos de crianças, mulheres e homens, forçando-os a engrossar as fileiras do terrorismo.

O Chefe de Estado recordou que os ataques terroristas começaram a se evidenciar em Outubro de 2017, mas desde 2012 que destroem vidas de moçambicanos, impedido o seu crescimento e desenvolvimento.

Nyusi revelou que as actividades terroristas foram inicialmente promovidas por um cidadão de nacionalidade tanzaniana, identificado por Abdul Chaculo e que recrutava jovens, sobretudo residentes nos distritos de Mocímboa da Praia e Nangade. O referido cidadão, acrescentou o Presidente da República, incitava ao desrespeito ao islamismo, proibição das crianças de ir à escola e obrigava a população de frequentar as madrassas.

“Promoviam a entrada em mesquitas de sapatos, calções e empunhando obejctos contundentes. Quem é muçulmano sabe que não se entra na mesquita de sapatos”.  

 Nyusi disse ainda que, desde 2017, altura em que se intensificou o combate ao terrorismo em Cabo Delgado, dos terroristas mortos em combate, destacam-se cidadãos de origem tanzaniano, quenianos, somalis e ugandeses.

Classifique este item
(0 votes)
Última modificação: Quarta, 16 Dezembro 2020 10:19