Líder viola neta e filhas em Inhambane

Um líder comunitário de Marrengo, distrito de Homoine, província de Inhambane, encontra- -se detido desde semana passada, indiciado de violação da neta de três anos e filhas.

Os crimes foram registados no ano de 2017, e o líder encontrava- -se escondido longe da sua comunidade desde finais de Outubro.

O primeiro caso de violação sexual do líder foi despoletado pela sua esposa, no mês de Setembro de 2017. Na altura, o líder aproveitou- -se da ausência da esposa e violou a neta de três anos de idade, órfã de pai.

De acordo com o Serviço Nacional de Investigação Criminal em Inhambane (SERNIC) quando a esposa regressou notou que a neta caminhava com dificuldades, facto que a intrigou. Conversou com o marido e este confessou ter violado a criança.

“Tentaram resolver o problema internamente, mas a esposa continuava inconformada com o sucedido, até que solicitou um encontro entre o casal e outros líderes do distrito”, disse fonte policial.

Na ocasião, o líder terá jurado que não iria praticar mais este tipo de crime, mas em vão, pois repetidamente foi violando a neta, bem como as suas filhas.

A situação deixou a comunidade preocupada que solicitou a intervenção do SERNIC, em Inhambane. Segundo Alceres Cuamba, chefe das Relações Públicas Comunicação e Imagem na Direcção Provincial do SERNIC, o indiciado logo que se apercebeu que estava a ser procurado, pôs-se em fuga.

Sempre que quisesse visitar a família aparecia e retornava ao esconderijo na calada da noite. Ninguém sabe ao certo onde é que se tinha refugiado.

“A sua detenção foi graças à colaboração entre a comunidade e o SERNIC. Assim, ele encontra-se detido e o processo está a seguir os passos seguintes”, referiu.

Alceres Cuamba mostra-se preocupado com o facto de nos últimos dias ter aumentado o número de casos sobre violação de menores na província de Inhambane. Neste ano já foram registados 19 casos.

Classifique este item
(0 votes)