PRM desactiva fábrica de droga na Namaacha

A Polícia da República de Moçambique (PRM) desactivou na quinta-feira no distrito da Namaacha, província de Maputo, uma fábrica clandestina, onde era produzida e empacotada droga, com maior destaque para heroína.

Para enganar as autoridades, a droga era empacotada em sacos plásticos pequenos que têm desenhos de animais. À primeira vista pareciam pacotes de carne.

No local, foram detidos sete cidadãos, dos quais dois moçambicanos e cinco mexicanos, para além de terem sido recolhidas quantidades não especificadas de pacotes de heroína.

Nas auscultações, os cidadãos de nacionalidade mexicana dizem que não sabem nada sobre a fábrica.

Segundo Carmínia Leite, porta-voz do Comando da PRM, em Maputo, durante as auscultação um dos moçambicanos indiciados disse que foi contratado recentemente pelos mexicanos para ser pastor de gado.

Entretanto, no local não há vestígio sobre a criação de animais.

Equipas da PRM continuam a trabalhar por forma a colher mais informações a respeito do circuito de produção e distribuição da droga naquele local.

Neste momento, os sete indiciados estão detidos na vila da Namaacha, província de Maputo.

Classifique este item
(0 votes)