Ibrahim Keita vítima do sectarismo político e etno-religioso!

Chegou ao fim, por golpe de estado, o segundo mandato de Ibrahim Boubacar Keita (IBK). Foram sete anos de ginástica governativa complexa e instável devido à existência de múltiplos grupos etno-religiosos em confronto entre si e com o Governo. O maior destaque vai para os Tuaregues do Norte (Konna) que lutam pela independência, os extremistas islâmicos do Ansar Dine que querem que as cidades Timbukto, Kidal e Gao sejam governadas pela lei islâmica e a milícia (cristã) dos pastores Dogon, que se opõe às imposições islamitas.

O ambiente tenso que acompanha a história do Mali é também fragilizado pelo papel das Forças Armadas Malianas, que estão mais dispostas a fazer golpes de estado do que defender o estado. Importa realçar que as Forças Armadas do Mali já vão no seu quarto golpe de estado desde a independência do Mali em 1960. O primeiro golpe foi em 1968, tendo sido deposto o Presidente Modibo Keita, o segundo ocorreu em 1991, quando Moussa Traoré foi deposto, o terceiro deu-se, em 2012, com a deposição de Amadou Toumani Touré acusado de não conseguir parar as incursões tuaregues. O mais recente golpe de estado (o quarto) deu-se no dia 19 de Agosto de 2020, com a deposição de Ibrahim Keita, acusado de não ter sabido gerir as questões pós-eleitorais.

Na realidade, Keita nunca teve tempo para governar de forma construtiva o seu estado, ele teve de recorrer a manobras dilatórias para lidar com os diversos assuntos de segurança que o Mali enfrenta. Aliás, é preciso lembrar que ele ascende ao poder, em 2013, depois de Touré ter sido afastado por causa da actuação dos Tuaregue. Keita, durante os sete anos da sua governação, recorreu à estratégia da demissão dos governos para acalmar os manifestantes. Por exemplo, entre Setembro de 2013 e Agosto de 2020, Keita teve de demitir cinco Primeiros-ministros, nomeadamente: Oumar Tatam Ly, Moussa Mara, Modibo Keita, Abdoulaye Idrissa Maiga e Soumeylou Boubèye Maïga. Portanto, o Primeiro-ministro Boubou Cissé, que estava no poder aquando do golpe de estado de 19 de Agosto de 2020, era o sexto no cargo em apenas sete anos, perfazendo uma média de catorze meses para cada um dos Primeiros-ministros. Este é um sinal inequívoco da instabilidade dos governos de Mali e, consequentemente, de toda a sociedade. Leia mais...

Por Paulo Mateus Wache*

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)