MANICA E SOFALA: Epicentro de ataques sem sentido

- Cerca de duas mil pessoas forçadas a abandonar Mucororodzi, Madziachena e Pindanganga e a fixar-se no distrito de Gondola

As províncias de Manica e Sofala, no Centro do país, viraram o epicentro de um conflito sem sentido, que continua a ser movida pela Junta Militar da Renamo, contra alvos civis e militares, causando luto, dor, sofrimento, destruição de infra-estruturas económicas e sociais.

O líder deste grupo, general Mariano Nhongo, justifica que decidiu romper com a Renamo, liderada por Ossufo Mamade, alegadamente por este não representar os interesses do partido e que decidiu entrar nas matas em repúdio contra a eleição daquele dirigente em substituição do falecido Afonso Dhlakama.

Ataques a viaturas, mortes e ferimento de pessoas, destruição de camiões, autocarros e de viaturas diversas, assaltos e incêndio de unidades sanitárias e empresas, saque de medicamentos, assaltos a residências e roubo de bens da população são algumas das acções belicistas que já estão a causar uma onda de deslocados.

Tais acções já estão a causar deslocados, a impedir a livre circulação de pessoas e bens e a retardar o desenvolvimento económico e social das duas províncias e do país em geral. Estima-se que cerca de duas mil pessoas viram- -se forçadas a abandonar Mucororodzi, Madziachena e Pindanganga e fixar-se em Cafumpe, Inchope e Mazicuera, no distrito de Gondola.

Em Mucororodzi, Madziachena e Pindanganga, os deslocados deixaram as suas casas, produtos agrícolas, animais domésticos, roupa, cobertores e utensílios diversos e estão em centros de acomodação a iniciar a vida a partir do nada. Leia mais...

Texto de Victor Machirica

Classifique este item
(0 votes)
Última modificação: Sábado, 18 Jullho 2020 22:07
Script: