Moçambique lança campanha indetectável=intransmissível

O Ministério da Saúde, em coordenação com o Conselho Nacional de Combate à SIDA, com o financiamento das organizações das Nações Unidas, apoio da sociedade civil e parceiros de cooperação, fez semana finda o lançamento da campanha indectetável igual a intransmissível.

Segundo o ministro da Saúde, Armindo Tiago, a campanha será acompanhada por programas e spots televisivos e de rádio, abordagens de educação e literacia dos pacientes nas unidades sanitárias e nas comunidades e divulgação de materiais para a literacia das pessoas vivendo com HIV, incluindo as lideranças comunitárias, como autocolantes nos autocarros, panfletos e posters nas comunidades em todas as províncias deste país.

“O contributo de cada um de nós é fundamental para que mensagens correctas sejam passadas para a melhoria do acesso, retenção aos cuidados de saúde e adesão dos pacientes ao tratamento anti- -retroviral, tendo como objectivo final o controlo da epidemia do HIV no nosso país”, disse Armindo Tiago.

O governante ressalvou que o conceito de que alguém vivendo com HIV que está em tratamento e com supressão viral, não pode transmitir o vírus para um parceiro sexual é um avanço extraordinário na resposta global à epidemia do HIV.

“Este avanço só pode produzir benefícios individuais e colectivos se todos e em particular as pessoas vivendo com HIV tiverem a consciência disso e fizerem a sua parte”, apontou.

Com a campanha visa aumentar a demanda para os serviços de testagem para o HIV; aumentar a demanda para o tratamento anti- -retroviral, incluindo o início imediato do tratamento; melhorar o acesso universal e a adesão aos serviços de HIV e reduzir o estigma em relação às pessoas vivendo com HIV e consequentemente aumentar a auto-estima das pessoas que vivem com o HIV.

Classifique este item
(0 votes)
Script: