MESMO COM O TELE-TRABALHO E AULAS “ONLINE”: Perdas atingem empresas de telefonia

Em cerca de três meses de implementação do estado de emergência decretado no país para conter a propagação do novo coronavírus, o Instituto Nacional de Comunicações de Moçambique (INCM) revela que as empresas de telefonia também estão a registar perdas financeiras consideráveis porque os consumidores exploram mais o tráfego bonificado. O número de utilizadores também não cresceu.

Mesmo com a introdução do tele-trabalho e das aulas “online” que, em condições normais, deviam se traduzir no uso massivo das comunicações, as empresas do sector de telecomunicações estão a observar uma redução do volume de receitas na ordem de 16 por cento, cifra que contraria a tendência de crescimento que o sector registou em igual período do ano passado que foi de 13 por cento.

“Considerando que todos os subscritores, principalmente, estudantes e funcionários, têm os serviços das comunicações como solução às restrições impostas, os sistemas estão a ficar congestionados, resultando daí a redução da qualidade de produção e, consequentemente, desistência do consumo”, revela o INCM.

Num estudo feito a pedido do domingo, consta que o tráfego das comunicações nos mercados de voz, mensagens escritas (SMS) e de dados tem tido tendência crescente, mas o rendimento das empresas tende a decrescer porque grande parte do tráfego é bonificada como resposta ao estado de emergência. Leia mais...

Texto de Jorge Rungo

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)
Script: