Em entrevista a este jornal, o director geral da Cimentos de Moçambique, Edney Vieira,considera que a actual capacidade de produção de cimento no país dispensa a importação, exceptuando casos para responder a obras específicas.

Moçambique tem condições para produzir 4,7 milhões de toneladas de cimento, contra uma procura que varia entre 2,2 e 2,3 milhões, o que significa que cerca de metade desta aptidão está ociosa.

Os números mostram que o país não precisa de cimento importado, porque a produção nacional garante a auto-suficiência”, diz o gestor da maior cimenteira do país, elogiando a adopção da sobretaxa na entrada deste material no país, porque protege a indústria nacional.

Que quantidade a indústria cimenteira coloca no mercado?

Acapacidade instalada no país gira em torno de 4, 7 milhões de toneladas por ano. O mercado consumidor, ou seja, a demanda está na casa de 2,2 a 2,3 milhões de toneladas/ano. Estamos a falar de uma capacidade ociosa de todo o sector cimenteiro na ordem de mais ou menos 50 por cento.

O mercado que sofre mais é o da zona Sul, porque é onde temos a maior capacidade instalada.

O Centro, após o ciclone IDAI, está a reconfigurar-se, e boa notícia é que todas as fábricas de cimento da região voltaram à actividade normal.

No Norte a demanda está mais aquecida, por força dos projectos do gás, apesar de estarem neste momento parados. Mas a Anadarko está a retomar as actividades.

Há inquietação em relação ao preço praticado pelo retalhista.

O nosso preço está estável por algumas razões. Uma delas é que entendemos, por exemplo, que a região Centro tinha problemas de alta competitividade, então não havia nenhum espaço para ajustar o preço. Com a vinda do IDAI a situação piorou.

Houve um pequeno ajuste no começo do ano, mas tendo em conta a média dos preços nacionais acaba sendo um movimento inerte. O que pode haver, não estou a dizer que há, porque eu sou produtor e respondo pelo preço à porta da minha fábrica, é que o transporte do cimento tem custos.

Se traçarmos pequenos anéis ao redor do centro produtivo, e se formos alargando esses anéis em distância, veremos que quanto mais longe o cimento vai, mais caro ele fica.

Tem algum mecanismo de controlo da margem de lucro dos distribuidores autorizados?

Um mercado de dois milhões e duzentos mil, com mais de quatro operadores, é muito pequeno. Fazendo uma conta reversa, consigo ver mais ou menos quanto cada um está colocando demais. Não tenho como controlar o preço da ponta, porque não posso interferir na cadeia. Se eu começar a mexer muito nisso, vou manipular o mercado, que não é nossa prática, porque esta empresa é muito séria em complains. Tenho regras internacionais por obedecer e sigo-as à risca.

Considera que a indústria cimenteira está devidamente protegida?

O Governo entendeu a situação da indústria do cimento no país e aprovou uma sobretaxa de importação de 20% que está em vigor.

O cimento importado já não entra aqui de forma abundante. O único cimento que, eventualmente, entra, vem da África do Sul para obras específicas.

Existe algum que vem da China ou Paquistão, mas não é muito. De forma que o mercado está equilibrado.

… pelo que não há necessidade de importação.

Os números dizem que não. Acho que o importante é pensar que Moçambique precisa de emprego. Digo isto pensando de forma similar num país como o meu, o Brasil, que precisa de gerar emprego urgentemente. E tenho a convicção de que o sector de construção é que gera emprego rápido e em maior escala.

Moçambique vem de uma crise económica, mas há sinais e até expectativas de que vai crescer mais este ano. Quando um país cresce, o cimento é dos vectores iniciais que geram e participam desse crescimento. A indústria  nacional de cimento está preparada para responder a este crescimento. Precisamos que todos estejamos alinhados no pensamento de que há necessidade de estimular o consumo do cimento nacional. É a criação de um ciclo virtuoso que realimenta a própria economia. É valor gerado e reaplicado para benefício dos moçambicanos.

Como é que isso se faz isso?

Texto de António Mondlhane

antóThis email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 337 visitante(s) ligado(s) ao Jornal