Mia Couto, escritor moçambicano, lançou, recentemente, um livro destinado ao mundo infantil, pretexto para uma longa conversa sobre temas que vão da cultura, política a economia. No essencial, sublinha que somos produto do que falamos e escrevemos. Revolta-se com a degradação da política e dos políticos, insurge-se contra o fosso existente entre ricos e pobres, e define-se como escutador mesmo de silêncios.

Ainda nesta entrevista, o escritor, Prémio Camões, ressalva que ser poeta é dar voz à criança que habita em nós. Discorrendo sobre a situação económica do país refere que o desafio das dívidas pode ser bom momento para que as instituições reganhem confiança que precisam absolutamente de ter.

Segue-se a entrevista em discurso directo.

Mia, comece por revelar-me um segredo. Qual é a principal arma para a sua criatividade?

O segredo tem um nome: trabalho. Pode haver algum talento que tenha nascido comigo. Mas eu prefiro não confiar nele. Prefiro trabalhar. Quando os jovens me perguntam como tenho tempo eu respondo: eu desligo a televisão. E desligo o whatsApp e a internet, desligo tudo aquilo que me desliga a mim. Prefiro uma boa conversa a qualquer outro entretenimento. A gente sente-se poderosa porque num simples toque ligamos um ecrã luminoso. Mas não notamos que aquele mesmo gesto nos desliga. Passamos a visitar o mundo pelos olhos de outros. Passamos a ver o mundo por uma janela muito estreita e quase sempre viciada. Trabalho de noite nos meus textos (quando a casa está adormecida) e de dia nos assuntos da Biologia, na minha empresa. O meu pai costumava dizer: nunca peças nada a quem tem tempo. Os que não têm tempo são os que fazem coisas.

A sua paixão pela escrita parece-me ter surgido quando o gosto pelo jornalismo efervescia. O Presidente Samora Machel disse-lhe que um jornalista tem de ser um contador de histórias. Pode revelar-me algo mais sobre este incentivo?

Posso contar numa palavra o que se passou. Eu era adolescente, tinha uma visão muito ingénua do mundo. E idolatrava os dirigentes revolucionários. Por isso, a primeira vez que me encontrei com o Presidente Samora foi uma espécie de momento mágico. Fazia parte de um grupo de jornalistas que se deslocou à Tanzânia onde Samora ainda vivia. Todos o queríamos impressionar e levávamos uma espécie de lição estudada. Samora interrompeu a nossa lenga-lenga e perguntou se sabíamos cantar. Ninguém respondeu. E perguntou depois Samora se sabíamos contar uma história. Ninguém respondeu. E Samora disse: quem não sabe contar uma história será sempre uma pessoa pobre. Aquilo impressionou-me muito. Era como se aquela mensagem fosse dirigida exactamente a mim. E acredito que hoje sou uma pessoa rica porque troco e partilho histórias com os outros.

De que forma o jornalismo jogou um papel importante para o surgimento de Mia Couto de hoje?

O jornalismo fez-me viajar por dentro de Moçambique. Foi uma escola para aprender a diversidade e a complexidade deste país. Percebi que muito do discurso político desconhecia essa diversidade. E percebi que havia vozes sábias naqueles que não tinham voz. Apercebi-me do modo com que muitos moçambicanos apreendem o mundo e exprimem o seu pensamento e que é de uma forma profundamente poética e literária. Os moçambicanos, como todos os que habitam o universo da oralidade, são grandes construtores de histórias. Eu apenas me deixei seduzir pela força desse universo criativo.

Texto de Bento Venâncio

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 512 visitante(s) ligado(s) ao Jornal