Os actores da crise política sudanesa alcançaram, no dia 5 de Julho, um acordo que pode permitir o retorno da ordem e segurança públicas. A crise que teve início a 19 de Dezembro de 2018 desembocou na deposição, pelos militares, de Omar Al Bashir em Abril de 2019. Os militares acreditaram que a crise iria cessar após a queda de Al Bashir e decidiram controlar o poder. Contudo, os civis continuaram com as manifestações exigindo, desta feita, que o governo de transição seja dirigido pelos civis. Os militares recusaram-se a ceder o poder e recorreram à violência para intimidar e manterem-se no poder.

O braço-de-ferro entre os civis e militares tem sido gerido pela União Africana que indigitou Mohamed El Hacen Lebatt como mediador. Realce-se, também, o papel fundamental que a Etiópia tem estado a desempenhar na resolução da crise. Depois de várias rondas de negociação, no dia 5 de Julho, os civis e os militares concordaram em instaurar um Conselho Soberano com alternância de poder, num período de três anos. O Conselho Soberano, que inclui militares e civis, será presidido, primeiro, por um militar num período de um ano e meio e, depois, será presidido por um civil num período análogo.

Contudo, as dificuldades das negociações levam a crer que a implementação deste acordo será um desafio para os sudaneses por duas razões: (i) o período de transição é muito longo e (ii) a assimetria de poder.

Em relação ao longo período de transição, parece que três anos é tempo demais para uma transição motivada por protestos. Porque durante três anos a situação económica, que levou à queda de Al Bashir, pode deteriorar-se levando à perca de legitimidade do Conselho Soberano. Um governo civil-militar pode não ter concentração suficiente, devido às competições pelo poder e a diferenças de visões de gestão do estado, para gerir novas facções de manifestantes não representados pelos civis no governo. Um ano seria tempo suficiente para organizar-se eleições com vista à instauração de um governo legal e, quiçá, legítimo.

Quanto à assimetria de poder, importa realçar que o Conselho Soberano é composto por dois grupos. Por um lado, estão os militares que, por natureza, são estrategas e depositários de arsenal bélico e, por outro, estão os civis que não têm nenhum meio que lhes confere poder para além da vontade de governar e talvez algum apoio popular. A assimetria está evidente no acordo alcançado. Basta recordar que os militares serão os primeiros a dirigir o estado durante um ano e meio, só depois os civis irão gerir o estado. A questão que fica é: será que os militares irão cumprir o acordo de entregar o poder depois do período previsto? Leia mais...

Por Paulo Mateus Wache*

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 546 visitante(s) ligado(s) ao Jornal