Todas as atenções dos moçambicanos estiveram ontem viradas para a cidade da Matola onde se realizou a primeira sessão extraordinária do Comité Central da Frelimo, com o ponto mais saliente da agenda: aprovar o manifesto eleitoral do partido com vista às eleições de 15 de Outubro de 2019.

O Comité Central é o órgão máximo da Frelimo entre os congressos e a ele compete garantir a realização da política do partido a todos os níveis, tomar as principais opções políticas e definir os ajustamentos necessários com vista a uma correcta e eficaz actuação da organização, de acordo com a evolução da realidade nacional e internacional nos diversos domínios.

Mas porquê uma reunião pode prender muita atenção das pessoas? Simples, a Frelimo é o partido que suporta o Governo e, sendo assim, quer queiramos quer não, quaisquer decisões que toma interferem directa ou indirectamente na vida de todos os moçambicanos, isso na vertente interna.

A nível internacional, os países que mantêm relações diplomáticas com Moçambique, certamente, também estão interessados em saber o que vai mudar daqui para frente, o mesmo acontecendo com os potenciais investidores estrangeiros. Antes de colocar o seu dinheiro ao serviço do desenvolvimento querem ter pormenores sobre as políticas que estão a ser adoptadas.

A avaliar pela postura do partido, tudo indica que a Frelimo está ciente da sua responsabilidade, responsabilidade que se demonstra quando decide reunir-se para debater e aprovar aquilo que pode vir a ser o seu principal instrumento de governação. É um gesto que de per si transmite aos potenciais governados e a todos quantos têm interesses em Moçambique um sinal de confiança e de esperança. Leia mais...