Mais de 100 representantes de cooperativas estiveram reunidos ontem na cidade de Maputo em Conferência Internacional das Cooperativas, onde foi apresentado um estudo sobre o Contributo e Potencial Económico, Fiscal e Social destas organizações produtivas. Porque estão em renascimento numa nova era, adoptaram como lema a defesa de “Trabalho Decente”.

Note-se que o Governo considera que “o cooperativismo moderno é a solução para os actuais problemas porque é possível saber como, onde e para quem produzir, o que permite o crescimento do país, alinhando isto à estrutura produtiva da economia moçambicana”.

Este posicionamento foi apresentado pelo Vice-Ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, Victor Tauacale, que procedeu à abertura daquela conferência, onde sublinhou que “aConstituição da República consagra o estímulo e protecção do cooperativismo. Para a materialização deste desiderato, o Governo aprovou em 2009 a Lei Geral das Cooperativas como um passo importante para o crescimento da abordagem do desenvolvimento socioeconómico baseado nas empresas cooperativas”, disse.

Por essa razão, frisou que cabe ao Governo, entre outras tarefas, legislar, regulamentar, proteger, promover e divulgar as actividades realizadas pelas cooperativas e estabelecer parcerias com a Associação Moçambicana para Promoção do Cooperativismo Moderno (AMPCM) para encontrarem soluções para superar os problemas económicos que afligem o país.

Como resultado disso, o Governo, através do Instituto para a Promoção de Pequenas e Médias Empresas (IPEME), assinou, em 2017, um memorando de entendimento com a AMPCM com vista a melhorar a capacidade dos membros das cooperativas e ajudar na planificação e gestão de negócios. “Está, igualmente, em vista a assinatura de outros memorandos com o Ministério da Indústria e Comércio e Autoridade Tributária com enfoque para a formalização e diversificação da economia moçambicana e alargamento da base tributária”, sublinhou.

Acrescentou que o Governo tem interesse, vontade e cometimento de assegurar a implementação, dinamização e promoção do cooperativismo moderno em Moçambique.

Ao contrário do velho modelo de cooperativas de consumo, que vigorou na década de 80, as cooperativas de hoje estão voltadas para a produção e para a superação de barreiras ao desenvolvimento de cada cadeia produtiva e de valor.

Cecílio Valentim, director executivo da AMPCM, lembrou que o primeiro modelo de cooperativismo fracassou devido à falta do quesito económico, sem contar que o capital social para viabilizar as actividades da era estatal, o que violava o princípio da independência. Ao mesmo tempo, não havia uma entidade específica para defender e capacitar os membros das agremiações. Leia mais...

Texto de Angelina Mahumane

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 328 visitante(s) ligado(s) ao Jornal