Os operadores do comércio transfronteiriço informal, também conhecidos por mukheristas, têm estado a expandir a sua actividade para novos mercados com realce para o asiático, de onde importam produtos como alho, cabelo, unhas, roupas, mobiliário diverso, electrodomésticos, equipamento informático, entre outros.

Se há alguns anos quando se falava em “mukheristas” olhava-se apenas para informais que importavam produtos da África do Sul e Suazilândia sem pagar os devidos impostos, hoje em dia o conceito mudou, embora um e outro continuem a optar pela “porta do cavalo”.

Hoje em dia estes operadores transaccionam com grandes mercados da Ásia com destaque para Índia, China e Singapura, de onde importam roupas, calçado, mobília, equipamento informático e alho.

Aliás, dentro da África do Sul, numa primeira fase adquiriam os seus produtos em Komatipoort, mas com o passar do tempo conseguiram evoluir até alcançar cidades como Joanesburgo e Durban.

A actividade continua mukhero, mas são nossos membros que aceitaram trabalhar formalmente e continuam sob a alçada da nossa associação. A nossa associação tem os pequenos comerciantes que puxamos para subirem”, disse Sudecar Novela, presidente da Associação Mukhero.

Texto de Angelina Mahumane

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 425 visitante(s) ligado(s) ao Jornal