Print this page

A batalha final por Tigray

Novembro 28, 2020 797

Abiy Ahmed está, definitivamente, decidido a impor a legalidade com base no uso da força na região de Tigray. O conflito militar que eclodiu a 4 de Novembro de 2020, quando a Frente de libertação do Povo Tigray atacou a base das Forças Armadas Federais da Etiópia como culminar de vários desentendimentos entre os governos Federal e Regional está ao rubro. O Governo Federal está sendo enérgico na guerra que dura há três semanas, com relatos de populações na condição de deslocados e refugiados. Abiy Ahmed destituiu o Governo Regional e nomeou novos líderes que ainda não estão no terreno porque os líderes rebeldes continuam, na prática, no poder.

O percurso da guerra mostra atitudes de muita confiança por parte do Governo Federal e, quiçá, de confrontação por parte do Governo Regional. Por exemplo, o Governo Federal deu um ultimato ao Governo Regional e este respondeu que o povo de Tigray estava disposto a morrer em defesa da sua terra. Diante da atitude desafiadora do Governo Regional, o Governo Federal anunciou, no dia 26 de Novembro de 2020, a fase final da guerra e a marcha para Mekele, capital de Tigray. Importa realçar que o Governo Federal rejeitou, no mesmo dia (26), a mediação dos mandatários da União Africana, os antigos presidentes da Libéria, Ellen Sirleaf, de Moçambique, Joaquim Chissno, e da África do Sul, Kgalema Mutlanthe, indigitados pelo presidente da União Africana, Ciryl Ramaphosa.

Abiy Ahmed está claro que a solução deste conflito deve ser militar, não há espaço para o diálogo. O argumento para a aposta nesta solução é o de que se este levantamento não for debelado à força outras regiões poderão ter o mesmo comportamento de desobediência em relação ao Governo Central, o que seria o fim do Estado etíope enquanto uma federação étnica. O argumento de Abiy Ahmed pressupõe uma vitória militar a breve trecho e a reposição da legalidade com menores danos, principalmente em termos humanos. Por isso, recomendou às forças federais para não atacarem a população e à Frente de Libertação do Povo Tigray para não se misturar com a população. Contudo, estes apelos podem não ser eficazes, porque em ambiente de guerra civil é muito difícil distinguir os apoiantes da guerra e a população por proteger. Em abono da verdade, a população será a maior vítima desta guerra. Leia mais...

Por Paulo Mateus Wache*

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)