A luta pelo controlo de África

Numa entrevista publicada recentemente, o Presidente francês, Emmanuel Macron, apontou o dedo acusatório à Rússia e à Turquia pelo recrudescimento do sentimento anti-França em África. Para aquele político, Moscovo e Ancara usam os ressentimentos pós-coloniais de africanos para patrocinar mensagens anti-França em meios de comunicação social. A acusação do líder francês reflecte, na verdade, o medo que o seu país, uma antiga potência colonial, tem em relação aos seus adversários Rússia e Turquia que estão a ter alguma ascendência em África. Enquadrando toda esta trama na luta pelo controlo de África e dos seus recursos, o pronunciamento de Macron não passa de “um roto que fala mal de um rasgado”.

Na percepção do Presidente francês, o sentimento anti-França de várias décadas de permanência da França em África, numa “relação muito institucional” com chefes de Estado e empresas. Macron considera que este sentimento é partilhado por algumas lideranças africanas, mas que a Rússia e a Turquia são as maiores responsáveis pela sua disseminação nos media. Diz ele que os dois países traçaram uma estratégia para financiar a produção e publicação de mensagens contrárias aos interesses franceses em África. Apesar das acusações, o Presidente francês não indicou nenhuma evidência, ou exemplo, de algum media que supostamente recebe tal financiamento.

Tal como o próprio Macron reconheceu, os ressentimentos pós-coloniais de alguns africanos, especialmente das antigas colónias francesas, provêm da “teimosia” da antiga potência colonial em querer manter a dominação no período pós-colonial. Há uma percepção de que a França pretende continuar a manter o seu império colonial em África, impedindo que as suas antigas colónias fiquem realmente independentes. A sua pré-disposição em ajudar a resolver desafios enfrentados pelos países do seu antigo império colonial é, muitas vezes, interpretada como tentativa de “interferir” nos assuntos internos das antigas colónias. A existência de líderes que demonstram tal ressentimento pós-colonial representa, portanto, a vontade destes líderes de se libertarem das amarras que, eventualmente, as mantêm na situação de subserviência à anterior potência colonial. Por que é que, então, a França aponta o dedo acusatório à Rússia e Turquia? Leia mais...

Texto de Edson Muirazeque *

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)