“Dizer por Dizer” ficou por fazer

Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós – Maximus

Para morrer, basta estar vivo. A frase nunca fez tanto sentido como agora. É que apesar da inevitabilidade do fim ser tão antiga como a própria humanidade, não há jeito de a aceitarmos. Quando ela aporta, há sempre milhares de questões sem respostas. Foi mais ou menos assim que me senti quando me foi comunicada a partida para o além de um amigo e colega. Um misto de dor e surpresa... um cocktail de sensações estranhas.

Uma neblina toldou completamente o meu corpo. Sabia que ele não estava bem de saúde, mas falávamos quase todos os dias. Convidara-me, há algum tempo, para trabalhar na edição em livro das crónicas que escrevia regularmente para o semanário “domingo” com o duplamente sugestivo título “Dizer por Dizer”. E foi a meio dessa interessante jornada que o fim chegou como uma bomba. Lembrar-me que semana passada, já em Méti, sua terra natal, me ligara para dizer que havia um amigo disposto a financiar a publicação... a informação tivera o condão de injectar-me mais energias para a tarefa que tinha em mãos.

A morte – sagaz e silenciosa – veio quebrar todas as ilusões! “Dizer por Dizer”, o livro, ficou por fazer... mas, como disse Maximus – “o que fazemos na vida, ecoa para a eternidade” – haverá sempre espaço para revisitarmos a memória e lá o encontraremos; afável, amigo dos seus amigos, companheiro para todas as horas e batalhas, homem de papo agradável e riso fácil. Tinha também uma memória extraordinária... datas, lugares, nomes, acontecimentos históricos ou não brotavam naturalmente para responder às naturais dúvidas de quem trabalha num jornal. Leia mais...

Classifique este item
(0 votes)
Script: