O mundo ralha de tudo

Bula-bula está à procura de um terapeuta… psicólogo ou outro profissional que possa valer… é que há coisas que começam a ganhar proporções assustadoras. Em boa verdade, há uns e outros que deviam ser internadas ou pelo menos serem proibidos – com o perdão da famosa liberdade de expressão – de balbuciarem onomatopeias em público.

E nem é por mal. Dizem cada asneiras que um tipo fica a pensar que quem confunde liberdade com libertinagem devia apanhar umas chineladas até ficar com os fundilhos avermelhados. Até apetece soltar uns palavrões capazes de fazer corar o mais cruel dos salteadores…

Então não passa um tempo bem curto que vozes “autorizadas” se levantaram para reclamar que o país não estava a aceitar ajuda externa na luta contra os terroristas que estão a desestabilizar a vida de milhares de pessoas em Cabo Delgado.

As críticas foram feitas em todas as notas musicais. Uma verdadeira orquestra de vozes que se outorgavam o direito de ditar ordens ao Governo sobre os passos a dar para se chegar à paz. O barulho foi tanto que o Chefe de Estado viu-se obrigado a dizer que nem tudo deve ser feito com estradalhaço e que a diplomacia do silêncio era um dos caminhos para a solução dos problemas. Na mesma altura asseverou que o Governo nunca recusara ajuda externa, mas queria que a mesma fosse feita “sob termos e condições” apropriados, até porque há muitas questões que têm de ser claramente salvaguardadas. Leia mais... 

Classifique este item
(0 votes)