CTO celebra aniversário mostrando teatro do mundo

O Centro de Teatro do Oprimido (CTO-Maputo) assinala a 16 de Julho corrente 20 anos de existência activa. De facto, foi há duas décadas que Alvim Cossa, depois de formado em técnicas do teatro do oprimido no Centro de Teatro do Oprimido do Rio de Janeiro, iniciou a difusão destas técnicas entre nós, realizando a primeira oficina na bucólica cidade de Inhambane em 2001.

Para assinalar o aniversário, um vasto programa de actividades foi desenhado tendo em conta as restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus. Assim, uma Mostra Internacional de Teatro do Oprimido (MITO), incluindo três colóquios e dois debates, está agendada para acontecer de 12 a 16 do mês em curso.

Assim, no dia 12, sob o Colóquio I (Texto, Estética e Acção) vai juntar Maria Atália e Dionísio Bahule para falarem, respectivamente, das “Correntes Contemporâneas: do Espaço à Performance” e “O espaço existencial como lugar de reinvenção do Teatro”. O jornalista cultural Elton Pila fará a moderação. O segundo Colóquio (Repensar a arte como lugar da alma), Ventura Mulalene e Isabel Jorge irão descorrer sobre os temas “O valor Estético da Arte” e “A Palavra como Repositório do Teatro”. O jornalista cultural Pretilério Matsinhe fará a moderação. O terceiro Colóquio juntará, sob o lema “Teatro e Desenvolvimento”, as orgainzações Elisabeth Glaser, Action Aid e CIC-Batá Moçambique. 

Paralelamente, a Mostra de Teatro do Oprimido irá mostrar várias peças teatrais usando as ferramentas tecnológicas, incluindo o Facebook, Instagram e Youtube do CTO-Maputo. Peás de Moçambique, Holanda, Brasil, Índia, EUA e França já estão inscritos. Leia mais...

Classifique este item
(0 votes)