Filha de José Francisco dos Remédios e Judite João Baptista Machalele, Ana dos Remédios Magaia é uma figura singular nas nossas artes cénicas. Mulher de “sete costados”, navega entre o teatro, cinema, literatura, teatro radiofónico, dublagens e outras coisas com uma leveza impressionante. Quase se pode dizer que o tempo não tem nenhum efeito sobre ela.

Bem disposta – mas com a língua sempre engatilhada –, Ana Magaia tem um currículo profissional impressionante. Participou em vários filmes e outras tantas peças teatrais. A sua primeiríssima participação artística foi no filme de Mário Borgneth, intitulado “Maputo- -Mulher”, em que contracenava com a prima, a falecida Lina Magaia. Depois nunca mais parou...

Fez, entre outros tantos, “O Tempo dos Leopardos”, de Zdravko Velimorovic (primeira longa-metragem rodada em Moçambique); “Karingana wa Karingana”, documentário de Mário Borgneth; “Aqui d’el Rei”, de António Pedro Vasconcelos; “O Gotejar da Luz”, de Fernando Vendrell (Portugal-Moçambique); “Le Pacte du Silence”, de Graham Guit (França); “Um Rio Chamado Tempo, uma Casa Chamada Terra”, de José Carlos de Oliveira (Portugal, adaptação do romance do escritor moçambicano Mia Couto); “Terra Sonâmbula”, de Teresa Prata (Brasil-Moçambique, adaptação do romance do escritor moçambicano Mia Couto).

Na televisão fez “A Child from the South”, de Sérgio Rezende (TV, Brasil-Moçambique); “Não é preciso Empurrar”, de Mia Couto (1.ª telenovela moçambicana); “Recursos e Vida”, série sobre o Meio Ambiente da TVM e UICN (União Mundial para a Natureza); “Língua Viva”, de Gonçalo Mourão; “Sabadão”, série de Mia Couto para a TVM (Televisão de Moçambique); “A Voz dos Dugongos”, de Jaime Campos; “A Jóia de África” (TV) e “Crimes en série” (TV, França, comédia).

No teatro, desenvolvido essencialmente na Associação Cultural Tchova Xita Duma, Ana Magaia fez, entre várias peças, “Xiluva”, criação colectiva; “Rosita até Morrer”, monólogo de Luís Bernardo Honwana – que lhe valeu uma bolsa de estudos em Portugal; “A Revolta da Casa dos Ídolos”, de Pepetela; “A Boa Pessoa de Sezuany”, de Bertolt Brecht; “A Companheira”, monólogo de Adolfo Gutkin; “Sarau Quinhentista”, de Mário Barradas, e “A Sapateira Prodigiosa”, de Garcia Lorca.

Para além de ser actriz, Ana Magaia tem outras responsabilidades no cinema. Foi directora de casting nos filmes “Africa dreaming” e “Terra sonâmbula”. Em “A voz dos dugongos”, “O Gotejar da Luz” e “Blood Diamond” ocupou o cargo de assistente de realização. Como produtora, deu luz a vários trabalhos dentre os quais “Recursos e vida”, série sobre o Meio Ambiente, e “Língua viva”, de Gonçalo Mourão. Leia mais...

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 61,72 62,95
ZAR 4,18 4,26
EUR 68,69 70,06

18.10.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 313 visitante(s) ligado(s) ao Jornal

+ lidas