São lugares de aprendizagem. Guardiões da história de arte, etnografia, antropologia, da natureza, das nações… da humanidade. Os museus enriquecem o intelecto e saciam a alma.

Todavia, numa época em que as pessoas têm várias opções de acesso à informação, visitá-los tende a ser prática de quem tem interesses académicos.

É tarde de Julho. domingo visita os museus da História Natural, da Moeda e da Geologia que retratam, respectivamente, a fauna e flora; as trocas comerciais e sua evolução; e o património geológico-mineiro de Moçambique.

Há visitantes nacionais. A maior parte são estudantes, sobretudo, do ensino superior. Alguns adultos acompanham crianças para contemplar e aprender o conteúdo dos museus.

Geologia

O Museu Nacional de Geologia, que herdou o património do extinto Museu Geológico Freire de Andrade, fundado em 1940, tem duas secções – Geologia e Indústria –, cada uma delas com subsecções.

O museu adquire, regista, investiga, documenta, conserva, expõe e divulga espécimes consideradas património geológico mineral de Moçambique. Muito visitado por estudantes, também ressente-se da escassez de elementos tecnológicos.

Dino Milice, director do Museu, diz que há quatro anos tem um ecrã para a projecção de vídeos sobre a geologia, focalizada na paleontologia. Entretanto, “avariou recentemente. Estamos a tentar resolver o assunto”.

Os vídeos, conforme conta, são sobre a geologia e os trabalhos de investigação paleontológica. Mostram geólogos moçambicanos e estrangeiros que participaram do projecto PalNiassa, que permitiu a descoberta de fósseis de “dicinodontes”, antepassados distantes dos mamíferos, com 250 milhões de anos. Leia mais...

Texto de Maria de lurdes Cossa

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.