Print this page

DOS CEMITÉRIOS FAMILIARES: convívio entre vivos e mortos

Janeiro 16, 2021 744

Começo por aplaudir de pé e em sentido as medidas anunciadas recentemente por Sua Excelência o Chefe de Estado, com vista a minimizar os efeitos nefastos da covid-19. Infelizmente, o moçambicano foi sempre assim: precisou de policiamento ou chamboco para cumprir uma certa medida mesmo visando o seu próprio benefício. Isso lembra-me as mulheres do tempo da minha mãe que diziam que quando o marido não lhes batia é porque não a amava!

Enfim, é o nosso “modus vivendi”. Entrando no assunto de hoje, vem a propósito do facto dos humanos por sua natureza serem religiosos, ordenado a transcenderem-se a si mesmos, por isso vivem desde sempre entre dois mundos: o real palpável e o imaginário. O conceito que as novas gerações têm sobre a morte é de longe diferente, para não dizer diametralmente oposto ao que eu tinha quando ostentava a idade desta nova geração. No tempo da minha mocidade, o defunto, acabadinho de desencarnar, não tinha o estatuto que lho dão hoje. Porque era considerado alguém que sem mais nem porquê, saía do convívio dos vivos (passe a cacofonia), e ia para um lugar incerto: “a bihide – ficou feio”; “a mwalade – desapareceu”; “a hi side – deixou-nos” (na língua das minhas avós a CiCopi). Por isso é que, nas exéquias, somente participava gente idosa, única que sabia a localização do lugar onde eram depositados os restos mortais dos recém-falecidos, cujo nome (desse lugar) era tabu, conhecê-lo ou mesmo apontar a direcção da sua localização, sob o risco de o dedo separar-se da mão e cair. Ao passo que os ancestrais falecidos há muito tempo (que nunca tinham tido convívio com nenhum dos das novas gerações), atribuía-se-lhes um estatuto de espíritos divinos (“ti nguluve” ou “si dízimo”). Portanto, tinham potencialidades de interferir na vida dos seus descendentes vivos, fazendo-lhes bem ou mal, consoante o seu comportamento (dos vivos). O lugar onde se enterram os restos mortais dos recém-falecidos não tem nome na língua cicopi. Até hoje. Leia mais...

Por Kandiyane Wa Matuva Kandiya

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)