Print this page

Paz dolorosa

Novembro 14, 2020 923

Aconteceu o que já se previa, a derrota dos arménios separatistas em Nigorno-Karabakh. Uma derrota seguida de um acordo de paz, doloroso para os arménios, assinado no dia 9 de Novembro de 2020. O acordo mediado por Moscovo foi assinado pelo Presidente do Azerbaijão, Ilhan Aliyev, Primeiro-ministro da Arménia, Nikol Pashinyan, e Presidente russo, Vladimir Putin, e prevê o cessar-fogo total. Este acordo consagra a vitória do Azerbaijão contra a Arménia, cujas populações ocupam aquela região desde a década de 1990. O conflito reactivou-se a 27 de Setembro de 2020 e opunha duas partes com assimetria de poder. Os arménios estavam em clara desvantagem nesta guerra, já o tínhamos dito no artigo de 4 de Outubro de 2020, publicado neste mesmo jornal. Ademais, o Azerbaijão, para além de ter vantagens competitivas em relação à Arménia, conta com o apoio incondicional da Turquia.

O acordo mediado pela Rússia, que durante o conflito se manteve próximo mas neutra dada a sua qualidade de provedor de solução, deixou a Arménia humilhada ao prever que (i) até o dia 15 de Novembro, a Arménia deve devolver ao Azerbaijão a região de Kalbajar, (ii) até o dia 20 de Novembro, a Arménia deve entregar ao Azerbaijão à região de Agdam e uma parte da região azeri de Qazakh que antes controlava e (iii) até o dia 1 de Dezembro, a Arménia deve entregar ao Azerbaijão a região de Lachin, mantendo apenas um corredor. O corredor de Lachin, de cinco quilómetros de largura, permitirá a ligação entre Nagorno-Karabakh e a Arménia. Com esta perda, parcial, de espaço, a população arménia que vivia nos lugares a serem entregues está em debandada, e na Arménia já há notícias de manifestações contra o Acordo.

Do ponto de vista político, o Primeiro- -ministro arménio, Nikol Pashinyan, admitiu a derrota ao afirmar que este é um acordo indescritivelmente doloroso para si e para o seu povo. Por seu turno, o Presidente do Azerbaijão, Ilhan Aliyev, declarou em televisão a rendição da Arménia. Por isso, este acordo acontece entre um derrotado, Arménia, e um vencedor, o Azerbaijão, apesar de a vitória ser apenas para algumas regiões de Nagorno-Karabakh. Contudo, Nagorno- -Karabakh continua a ser espaço dos dois estados, Azerbaijão e Arménia, porque o acordo não entrega toda a região de Nagorno-Karabakh a um único estado. Este facto prenuncia a continuação do conflito, porque o Azerbaijão, embriagado por esta vitória, vai, sem dúvida, no futuro, retomar a reclamação dos outros territórios desta região que desta vez não conseguiu conquistar. A longo prazo, dada a assimetria de poder entre a Arménia e o Azerbaijão, toda a região de Nagorno-Karabakh pode vir a pertencer ao Azerbaijão.

Por Paulo Mateus Wache*

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)