DEVIDO À INSEGURANÇA E COVID-19: Crescimento da economia em torno de 2,1 por cento

O Orçamento do Estado (OE) para 2021 prevê que o crescimento económico esteja em torno de 2.1 por cento, uma recuperação lenta devido às incertezas quanto ao período de propagação da pandemia da Covid-19 e à insegurança que se regista em algumas zonas da província de Cabo Delgado e no Centro do país.

No que concerne às despesas, o Governo estima que irá gastar, no próximo ano, 368.585,1 milhões de Meticais, contra 345.381,8 milhões de Meticais previstos na Lei Orçamental do ano em curso, antes da proposta de revisão.

A proposta do Plano Económico e Social (PES-2021) já submetida à Assembleia da República refere que do montante previsto para as Despesas do Estado, 238.290,5 milhões de Meticais correspondem às Despesas de Funcionamento, 83.782,0 milhões às Despesas de Investimento e 46.522,5 milhões às Operações Financeiras.

“As despesas de funcionamento vão continuar a absorver o maior volume da despesa pública, com 64.6 por cento, o que representa uma redução de 1.5 pontos percentuais quando comparado com o presente ano. As despesas de investimento ocupam o segundo lugar com 22.7 por cento e, em terceiro lugar, encontram-se as despesas com Operações Financeiras com 12.6 por cento”, lê-se na proposta.

Para o próximo ano, cerca de 309.053,6 milhões de Meticais resultarão de recursos internos, o corresponde a 27.3 por cento do PIB. Entretanto, esta cifra representa uma manutenção em termos percentuais do PIB quando comparado ao previsto para 2020 (antes da revisão).

No global, as receitas do Estado atingirão 265.596,1 milhões de Meticais e o Crédito Interno, 40.957,5 milhões, o correspondente a 23.4 e 3.6 por cento do PIB, respectivamente.   Leia mais...

Classifique este item
(0 votes)