Seis mil pessoas vão a teste na cidade de Maputo

- Sérgio Chicumbe, director nacional de Inquéritos no Instituto Nacional de Saúde, fala do arranque amanhã do inquérito sero-epidemiológico na capital do país

Arranca amanhã o inquérito sero-epidemiológico na cidade de Maputo. Sérgio Chicumbe, director nacional de Inquéritos e Observação no Instituto Nacional de Saúde (INS), refere que neste processo a estimativa da amostra necessária é de cerca de 6000 testados, sendo que “ajustamentos poderão ser feitos em função dos consensos técnicos que estão em constante revisão”.

Segundo o nosso entrevistado, pretende-se com o inquérito que haja uma recolha de informação fiável e ajustada às necessidades de conhecimento adicional sobre a dinâmica da epidemia, mas sempre mantendo uma abordagem tecnicamente inteligente e de custo eficaz.

Abordando particularmente o regresso de moçambicanos às províncias do Sul do país, provenientes da vizinha África do Sul, Sérgio Chicumbe recusa-se a estabelecer uma relação de causa-efeito. “Não podemos precisar, neste momento, se o aumento de casos na cidade de Maputo, por exemplo, tenha ou não uma relação directa com o repatriamento dos nossos concidadãos, pois, embora estes sejam potenciais novos focos de transmissão nas comunidades, o factor final determinante da transmissão tem a ver com o cumprimento ou não das medidas preventivas”, apontou.

Destacamos a seguir os principais excertos da entrevista.

Inicia amanhã o inquérito sero- -epidemiológico na cidade e província de Maputo. O que o fundamenta?

O inquérito será mais uma ferramenta a ser usada para inteligência de Saúde Pública para a compreensão da extensão e magnitude da pandemia por SARS-CoV-2 em Moçambique, particularmente em Maputo, onde se regista um cumulativo importante de casos dentre todos até aqui registados. Leia mais...

Texto de Bento Venâncio

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)
Script: