ANTÓNIO TIVANE, PRESIDENTE DA AMECON: Consolidação fiscal crucial para a meta de crescimento

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê, para este ano, um crescimento económico na ordem de 5,5 por cento contra os 2,1 do ano passado, enquanto a inflação deverá permanecer baixa, a oscilar nos cinco por cento.

Esta posição é, aliás, corroborada por António Tivane, presidente da Associação Moçambicana dos Economistas (AMECON), que considera, no entanto, que a meta de crescimento em 5,5 por cento só poderá ser alcançada se o Governo prosseguir com a consolidação fiscal e com a gestão sustentável do capital resultante da exploração de recursos naturais.

Numa entrevista concedida ao domingo, António Tivane fala também da contribuição, no crescimento económico, da reconstrução pós-ciclones Idai e Kenneth, calamidades que deixaram vários distritos do Centro de Moçambique praticamente de rastos.

As necessidades financeiras para a reconstrução são estimadas em pouco mais de três mil milhões de dólares norte-americanos, montante a ser desembolsado pelo Governo e parceiros. Leia mais...

 

Texto de Idnórcio Muchanga

idnóThis email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)
Última modificação: Sábado, 11 Janeiro 2020 21:27