No âmbito da divulgação das decisões do X Congresso que decorreu de 23 a 28 de Setembro último, em Pemba, o partido Frelimo procedeu semana finda à movimentação das chefias das 

 

brigadas provinciais daquela formação política a nível provincial. Os novos chefes partem próxima quinta-feira para as respectivas províncias.

Com esta movimentação passam a ser as seguintes as chefias: Cabo Delgado, Eduardo Mulémbwé; Niassa, Carvalho Muária;  Nampula, José Pacheco; Zambézia, Verónica Macamo; Tete, Margarida Talapa; Manica, Alcinda Abreu; Sofala, Alberto Chipande; Inhambane, Eneas Comiche; Gaza, Alberto Vaquina; Província de Maputo, Raimundo Pachinuapa e Cidade de Maputo, Conceita Sortane.

Filipe Paunde, secretário-geral da Frelimo, disse ontem em Maputo, por ocasião do seminário de capacitação dos membros destas brigadas que irão liderar o processo de divulgação das decisões do congresso, que a medida visa permitir que as chefias conheçam o país de lés a lés.

São objectivos das brigadas centrais, a harmonização dos métodos de trabalhos, explicar as decisões do congresso, mobilizar a população a se empenhar na consolidação da paz, democracia, reforço da unidade nacional e da auto-estima, assim como o fortalecimento das bases do partido.

Um outro aspecto a ter em conta, é que os membros das brigadas receberam igualmente uma capacitação em matérias como: manutenção da paz, a paz e o diálogo em Moçambique, guião da divulgação das decisões e uma palestra sobre o Acordo Geral da Paz, assinado em 1992.

Edson Macuácua, secretário do Comité Central para a Formação de Quadros, explicou que a abordagem destas matérias prende-se com o facto de nos últimos templos multiplicarem-se discursos belicistas e intimidatórios que atentam contra a tranquilidade pública.

“Daí que as brigadas irão realizar uma grande ofensiva no sentido de explicar a população que o país está seguro e que tudo que deve ser feito é trabalhar no sentido da preservação da paz e reforço da unidade nacional. Apelar igualmente para as pessoas estarem vigilantes a quaisquer tentativas ou acções que possam perigar a paz”,disse Edson Macuácua.