SAÚDE MATERNO-INFANTIL: Pobreza e cuidados deficitários originam partos prematuros

Texto de Luísa Jorge

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Alice Chirindza, de 34 anos de idade, natural de Manhiça, província de Maputo, teve um parto prematuro há sensivelmente um mês. O bebé nasceu com mil gramas. Estava com sete meses de gestação, quando certa manhã não conseguiu sair da cama devido a intensas dores de ventre. O que ela não sabia era que a gestação chegava ao fim, prematuramente.

Esta é uma das experiências que domingo traz, como forma de chamar atenção para um problema que ocorre com alguma frequência, conforme alertam especialistas de saúde materno-infantil: a antecipação do serviço de parto.

O caso de Alice, que vive com a mãe e sua cunhada, ocorreu pelo desconhecimento dos sinais de perigo. Conforme contou, antes do parto prematuro sentiu dores que a levaram a ficar em casa por aproximadamente sete dias. Nesse período deixou de lado o trabalho da machamba, de produção de carvão e outros afazeres domésticos, que garantem o sustento da família. E, no quinto dia da semana, “as dores intensificaram-se, fui ao hospital e dei à luz”, contou a jovem.

Alice confessou algum desmazelo com a sua saúde geracional. “Não sabia que fazer trabalhos muito pesados podia prejudicar o bebé. Nas consultas de controlo da gravidez não tive essa informação”, garantiu.

Outra experiência colhida pelo domingo foi relatada por Marta Macamo, de 17 anos. Segundo ela, o trabalho pesado também foi um dos factores que contribuiu para a antecipação do serviço de parto do seu primeiro filho.

No dia anterior ao parto, estava sozinha em casa. Um dia houve falta de água, por isso tive de ir buscá-la na vizinhança. Carreguei três garrafões de 15 litros para conseguir realizar as tarefas domésticas”, disse Marta.

Leia mais...

Pub