As águas do Vale de Mulauze, que integra uma área da cintura verde da cidade de Maputo, correm o risco de ficar contaminadas. O grito de alerta lançado na recente reunião do Conselho Consultivo Distrital de KaMubukwana vem dos camponeses que desenvolvem o cultivo de hortícolas ao longo das margens daquele riacho. 

Segundo disseram, as unidades industriais e estabelecimentos comerciais que surgiram ao longo da Avenida de Moçambique têm estado a descarregar diferentes resíduos directamente para o Vale de Mulauze as águas resultantes dos processos produtivos.

O receio de as águas, que servem para a rega das culturas agrícolas, ficarem contaminadas, deriva do facto de, alegadamente, não existir nenhum tratamento dos resíduos antes das descargas. 

O problema não é novo. Em outras ocasiões, os camponeses pediram socorro devido à presença de águas residuais da fábrica “Lusovinhos”, assim como da antiga “Fapacar”, localizada no bairro George Dimitrov.

Nas traseiras da INCEP (Indústria Nacional de Cartão e Papel), antiga “Fapacar”, são visíveis os vestígios do despejo directo de águas residuais no riacho, o que altera por completo a sua cor, exalando inclusive um cheiro fétido.

A gerência da empresa defende que o líquido que tem sido despejado constitui 5 a 10 por cento das águas residuais do processo de produção e não apresenta risco de contaminação.

Texto de Benjamim Wilson

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 231 visitante(s) ligado(s) ao Jornal