Revisto: Benjamim

Texto: Bento Venâncio

Usam redes mosquiteiras para cerco de hortas e pesca. Desfrutam tão pouco das mesmas quando na equação está a sua própria protecção de picadas de mosquitos. Esta atitude de alguns cidadãos de Manica (e não só) tira sono ao Ministério da Saúde (MISAU) e parceiros que investiram milhares de dólares na prevenção da malária, visando sobretudo a protecção de mulheres grávidas e suas crianças que podem sofrer as mazelas mais graves, com anemia à mistura.

 

Em Moçambique, a malária constitui um dos principais problemas de saúde pública. Segundo o MISAU, tal deve-se a factores socioeconómicos (pobreza e meios de prevenção inacessíveis), climáticos e ambientais (temperaturas e padrão de precipitação) que favorecem a sua transmissão ao longo de todo o ano, atingindo o seu ponto mais alto após a época chuvosa (Dezembro a Abril).

O “Plasmodium falciparum”é apontado pelas autoridades sanitárias como o parasita mais frequente no país, sendo responsável por cerca de 90 por cento de todas infecções maláricas.

Leia mais...

Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 58,6 59,76
ZAR 4,06 4,14
EUR 67,41 68,76

21.08.201Banco de Moçambique