“E achou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombos e os cambistas assentados. E, tendo feito um chicote de cordéis, lançou todos fora do templo também os bois e as ovelhas…” João 2: 14-15

Hoje é para os cristãos de todo o mundo o “Domingo dos Ramos”, dia em que Jesus, depois de entrar triunfalmente em Jerusalém, foi direito para o templo, onde expulsou os vendilhões com um chicote feito de azorrague de cordéis. Ora bem, além de pôr ordem no templo, aquele gesto deixou marcas no copo e na alma daqueles vendilhões. O chicote é sinónimo de: chibata, flagelo, açoite, azorrague, látego, “chamboco”, etecétera. Porém, o termo “chamboco” é relativamente muito recente no nosso país, porque, durante a vigência dos meus dois falecidos avôs (materno e paterno), que ambos eram “TiNganakana” (líderes comunitários) dos seus respectivos povoados (durante as décadas 50, 60 e 70 do século passado) e que em muitas ocasiões mandaram castigar os seus concidadãos súbditos como lhes competia, como forma de colocar ordem e segurança nos seus “territórios”, não era através de “chamoboco” actual. Portanto, o termo não era conhecido em nenhuma das línguas locais, nem constava nos dicionários da língua portuguesa. Presume-se que “chamboco” seja produto da nossa revolução e tem a sua origem na palavra “jambock” do afrikander (língua falada na África do Sul). Não é que antes do surgimento de “chamboco” no nosso país as pessoas não eram “chamboqueiadas”. Só que as sevícias eram feitas através de dois instrumentos: primeiro era a palmatória (“txibobo” ou “xipakane”), que era um instrumento de madeira, composto de um disco com cinco buraquinhos e que abrangia toda a palma da mão e conforme a gravidade do crime o número de palmatoadas variava entre cinco e dez em cada mão. Por exemplo, pelo crime de matar uma pessoa, o sentenciado, além de ter de cumprir 25 anos de prisão, levava vinte palmatórias, dez em cada mão; segundo instrumento utilizado como disciplinador era uma vara chamada “cavalo-marinho” (“mboma” ou “ximbomana” conforme o tamanho), e que era feito de pele de hipopótamo com um cumprimento que não ia para além de metro e meio e espessura que começava volumosa e terminava fina e erausado para infligir castigos corporais pesados. Com a nossa Independência, a palmatória (“txibobo” ou “xipakane”) e o cavalo-marinho (“mboma” ou “ximbomana”) foram substituídos pelo famoso “chamboco” que nas três províncias do Sul do nosso país ficou conhecido por “ximusana”, o mesmo que pequeno pilador. Então, o “chamboco” passou a ser regulado por uma Lei. Tanto o “chamboco” (“ximusana”), quanto os seus antecessores (palmatória), “txibobo” ou “xipakane”, e cavalo-marinho (“mboma”) deixavam (deixaram) sequelas nas suas vítimas. Pese embora recordá-lo, confesso que eu sinto falta do “chamboco” para certos atropelos. 

Por Kandiyane Wa Matuva Kandiya
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 162 visitante(s) ligado(s) ao Jornal

+ lidas