A hospitalidade que é reconhecida ao povo moçambicano em acolher no seu solo pátrio cidadãos dos quatro cantos do mundo não é de agora. Houve tempos em que se chamou Solidariedade Internacional, e assim aceitámos receber zimbabwianos e sul-africanos (perseguidos pelos respectivos regimes racistas), mauberes (pelo regime do General Suharto, da Indonésia), chilenos (fugindo de Pinochet), nicaraguenses (em fuga de Anastácio Somoza), entre outros.

Pensávamos que as independências e/ou a mudança de regimes pudessem terminar com o êxodo em direcção ao nosso país. Estávamos, afinal, enganados. Sempre haveria quem não se sentisse bem no seu país e encontrasse em Moçambique o lugar de folegar. Um país e um povo que não têm mãos a medir quando o que está em jogo é o acolhimento de quem, por motivos principalmente humanitários, procura estar longe da razão que lhe move a sair do seu país.

Ultimamente, com as crises dos Grandes Lagos, do Corno D´África (e não só), voltamos a receber irmãos, desta feita só africanos. Ficou claro que ao nosso espírito solidário se soma a posição geoestratégica do nosso país. Está visto que alguns pretendem passar para outras nações, mas Moçambique acaba sendo onde se sentem bem.

Texto de Pedro Nacuo
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 59,96 61,15
ZAR 4,17 4,25
EUR 68,7 70,06

19.10.201Banco de Moçambique

Mais lidas