HOSPITAL DE INHARRIME AZEITE PARA DOR DE OUVIDOS

“Quem tem ouvidos para ouvir, então preste atenção” Mateus 13:9

Desta vez o protagonista sou eu mesmo. Aconteceu no hospital distrital da terra que me viu nascer, envolvendo eu, idoso de 75 anos, com uma jovem médica formada numa faculdade de medicina, portanto discípula de Hipócrates, de Apolo, Esculápio, Higeia e Panaceia. Consequentemente, uma profissional que, sem dúvida, durante a sua formação lidou com uma cadeira chamada gerontologia, que, melhor que eu, ela sabe queé uma ciência que estuda o processo de envelhecimento humano com atenção às necessidades físicas, emocionais e sociais que surgem com a nossa idade. Terça-feira dia 31 de Julho, despertei com o meu ouvido esquerdo incapaz de escutar qualquer tipo de som. Tentei resistir, mas o mal-estar incomodava cada vez com maior intensidade. A última filha da viúva do meu falecido pai prontificou-se a acompanhar-me ao hospital distrital onde iria apresentar-me à sua médica, tendo em conta a precariedade da sua saúde, condição que a tornou “assídua clienta” daquela unidade sanitária.

Por Kandiyane Wa Matuva Kandiya

 

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Pub