O vice-ministro da Educação e Desenvolvimento Humano, Armindo Ngunga afirma que as questões ligadas à resiliência nas obras de construção de infra-estruturas sociais e económicas devem ser levadas a sério em Moçambique para evitar a perda de vidas humanas e a destruição das infra-estruturas.

No caso do sub-sector de Educação, Ngunga disse que será necessário fazer uma revisão do estado em que se encontram as cerca de 13 mil escolas existentes no país para verificar o nível de intervenção de que estas devem beneficiar para se tornarem robustas perante as intempéries.

Temos que preparar a sociedade e as infra-estruturas. Precisamos fazer perceber aos que planificam investimentos e também aos que financiam e edificam, que as mudanças climáticas são uma realidade e, no caso do nosso país, vão ocorrer com cada vez mais frequência e intensidade”, frisou.

Armindo Ngunga, que integra a delegação de Moçambique na VI Plataforma Global para a Redução de Desastres, que decorre em Genebra, na Suíça, enfatizou que Moçambique tem localização geográfica estratégica para fins económicos e, em simultâneo, desvantajosa em termos de vulnerabilidade a calamidades.

Viemos a este evento para interagirmos com outros países e aprendermos deles sobre como reagir e orientar a sociedade para que os fenómenos naturais não se transformem em tragédias”, sublinhou.

Fez saber que Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano está a incorporar as questões de resiliência nas novas construções e tomou como exemplo o projecto Escola Segura, financiado pelo Banco Mundial, por via do qual foram erguidas cerca de 2000 escolas em todo o país e o reforço da cobertura de outras 250.

O país tem 13 mil escolas e precisamos revisitá-las para vermos como podemos incluir questões de resiliência na sua estrutura porque o assunto é sério”, enfatizou.

PLATAFORMA GLOBAL EM MARCHA

 

A Plataforma Global, cujo lema é “Dividendos de Resiliência: Rumo a Sociedades Sustentáveis​e Inclusivas”,arrancou formalmente na tarde de hoje e foi precedida de vários encontros preparatórios com destaque para a reunião dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento, a quartaConferência Mundial de Reconstrução, a segundaConferência de Alerta Múltiplos, o Fórum de Partes Interessadas, o Fórum de Ciência e Políticas e vários consultas regionaisgrande parte delas presenciadas por elementos da delegação moçambicana.

Na cerimónia de Abertura, a representante especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Redução de Risco de Desastres, Mami Mizutori, disse pretender que o encontro destaqueos benefícios resultantes da redução do risco de desastres em termos de salvar vidas e proteger meios de subsistência.

Referiu ainda que as discussões devem também estar voltadas para a maior contribuição que a redução do risco de desastres pode trazer para o alcance dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e do Plano de Acção sobre asMudanças climáticas.  

Referiu que será fundamental que se dê orientação sobre como se pode assegurar que até 2020 os países adoptem estratégias nacionais e locais para redução do risco de desastres e que estas sejam inclusivas e  centradas nas pessoas e nas questões de género.

Fez saber que os resultados deste encontro serão encaminhados ao presidente do Conselho Económico e Social das Nações Unidas como uma contribuição para os próximos debates do Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável e ainda serão estruturadas para serem debatidas na Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas e na Conferência de Partes (COP) que será realizada no final deste ano.

Ainda hoje, a representante especial do Secretário Geral das Nações Unidas para a Redução de Risco de Desastres, Mami Mizutori, lançou o Relatório de Avaliação Global sobre a Redução de Risco de Desastres que recomenda aos governos a tomarem medidas urgentes para evitar perdas humanas e materiais por calamidades naturais.

Texto de Jorge Rungo em Genebra

Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 210 visitante(s) ligado(s) ao Jornal