Anália, 12 anos, e Hermenegildo, 7 anos, brincam pairando no ar a expectativa de ver a água a jorrar na torneira. A espera, impaciente, virou rotina na vida dos menores que, junto aos pais, habituaram-se a acordar cedo para acarretar o precioso líquido em um recipiente, porque a água fornecida pela rede pública jorra até às 9.00 horas.

Trata-se de uma situação recorrente e igual à do casal Sandra e Luís, pais de Anália e Hermenegildo, residentes no bairro de Infulene D, quarteirão 19. Um número expressivo de moradores da província e cidade de Maputo está a pensar em abandonar a rede pública em busca da privada como alternativa de abastecimento de água.

A água dos furos pertencentes a privados ganha cada vez mais espaço na cidade e província de Maputo. Geralmente os fornecedores iniciam os seus empreendimentos de forma “tímida”, muitas vezes com o intuito de resolver problemas domésticos das suas famílias.

Leia mais...

Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 250 visitante(s) ligado(s) ao Jornal

+ lidas