Texto de Belmiro Adamugy
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
 

 

Noel Langa faz parte de uma galeria de artistas que pertencem ao mundo. A sua arte ultrapassou as fronteiras físicas do nosso país para aportar nos quatro cantos da terra. Tal como Malangatana, Chissano, Samate, Shikani ou Mankeu, venceu a acção limitante do tempo. Em vésperas de celebrar o seu octagésimo aniversário natalício, Noel Langa abriu as portas do seu Centro Cultural Arco-Íris para uma fugaz visita à sua própria trajectória.

Modesto até ao tutano, Noel, filho de João Langa e Ester Parruque, cedo descobriu em Chilumbela, Mandlakazi, província de Gaza, onde veio ao mundo a 30 de Outubro de 1938, que a sua vida seria pejada de cores. Os contrastes da areia, entre o branco e o vermelho, foram a sua primeira tela alicerçados pela participação nos trabalhos de cerâmica produzidos pela mãe.

Mas antes de se firmar como um dos nomes maiores das nossas artes plásticas, o Mestre Noel Langa – cujos pais sonharam que se tornaria um padre – trabalhou numa casa particular, foi funcionário da Casa da Moeda, foi pintor na construção civil, foi telefonista. Trabalhou numa empresa de frio e chegou a dirigir uma empresa mas a pintura sempre reclamou o seu quinhão.

Leia mais...

Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 59,96 61,15
ZAR 4,17 4,25
EUR 68,7 70,06

19.10.201Banco de Moçambique