Concessionários devem perto de 200 milhões à Aeroportos

Texto de Benjamim Wilson

 

Os concessionários dos espaços comerciais no interior dos principais aeroportos nacionais devem aproximadamente 200 milhões de Meticais em rendas à empresa Aeroportos de Moçambique (ADM).

Recentemente houve um encontro em Maputo, durante o qual a ADM apelou aos concessionários das lojas a saldarem as dívidas no prazo de 60 dias.

A maior parte justifica que o incumprimento está relacionado com a situação económica delicada que o país vive actualmente.

Na sessão de premiação dos melhores clientes, havida quarta-feira na capital do país, o presidente do Conselho de Administração da ADM, Emanuel Chaves, destacou que a relação entre a empresa que dirige e os concessionários vai entrar numa “nova fase”.

Conforme explicou, caso os devedores não honrem com os compromissos, a ADM não põe de lado a hipótese de aplicar multas e/ou rescisão dos contratos.

Por causa da falta de pagamento atempado das rendas, alguns escritórios localizados nos aeroportos de Maputo e de Tete tiveram de encerrar as portas, sendo que o reatamento da actividade aconteceu depois de honrarem os seus compromissos.

Emanuel Chaves frisou que, por causa das suas dimensões e movimento, o terminal aeroportuário de Maputo é o que se apresenta com maior número de concessionários e, por conseguinte, com mais devedores.

Chaves apelou aos gestores dos espaços comerciais dos aeroportos a se reinventarem para assegurarem o cumprimento pontual das cláusulas contratuais.

De salientar que os concessionários premiados viram, igualmente, alargados os respectivos períodos de contrato por mais dois anos, como forma de os estimular a serem pontuais no cumprimento do contrato.

Diversos serviços foram concessionados a agentes económicos para a exploração de negócios, com destaque para bancos, correios, cafés, boutiques, restaurantes, "renta-a-car", câmbios, bares e cintagem de bagagens.

 

 

Pub