INQUÉRITO: PRM deve ser pró-activa

A Polícia da República de Moçambique (PRM) assinalou, no dia 17 do mês em curso, o quadragésimo segundo aniversário da sua fundação. Mais do que falar da história da nossa Polícia, domingo saiu à rua para ouvir do cidadão sobre o desempenho da corporação. Os nossos entrevistados entendem que os agentes devem sofisticar a sua actuação e os jovens recém-incorporados devem fazê-lo movidos pelo espírito patriótico de bem-servir e nunca usar o fardamento para benefício próprio.

Acarinhar o cidadão

‒Ornélio Samuel, estudante

Os polícias têm de ser verdadeiros e honestos ao trabalhar. Deviam acarinhar o cidadão, mas não. Durante as operações têm espancado brutalmente cidadãos indefesos. A Polícia tem de resolver os problemas da população sem violência. Relativamente à patrulha, os agentes têm de actuar nos bairros periféricos que têm sido alvos de criminalidade.

 Continuar a garantir segurança

-Irna da Glória, estudante

Gostaria de felicitar a Polícia que diariamente trabalha para proteger o país e os cidadãos. Devem continuar a garantir a segurança e ordem públicas, sem constrangimentos. Tenho visto todos os dias o carro da Polícia a circular na minha zona. Desejamos que, em colaboração com a população, os agentes continuem a dar o melhor para que a segurança e harmonia sejam reais. A Polícia de Trânsito deve redobrar os esforços nos dias chuvosos, porque tem sido um martírio viajar para a Matola quando cai chuva.

A Polícia recebe pouco

 - Natália Manganhela, funcionária pública

A Polícia tem-se esforçado bastante para garantir a segurança pública, apesar de ter poucos recursos e, pelo que se sabe também, auferem salários que não são compatíveis com o custo de vida. O Governo deve sofisticar as condições de trabalho e salário da Polícia. Apesar da farda eles são seres humanos e merecem ser tratados com dignidade.

Ser polícia não deve ser

alternativa à falta de emprego

- Daniel Nguetse, trabalhador

A Polícia deve melhorar em muitos aspectos, e fazer parte da corporação não deve ser refúgio ou alternativa à falta de emprego no país. Há jovens que envergam a farda mas sem nenhum espírito patriótico nem vontade de bem-servir. Fazem-no apenas por falta de ocupação. Estes factores têm originado corrupção porque as pessoas entram nas fileiras para ganhar dinheiro e não para servir a Pátria. Também não pode haver interferência da política na Polícia. No entanto, felicito a Polícia por mais um ano da sua existência.

 

Pub